Buscar

What If? - Episódio 4 Explicado

Negociações com a Morte, não funcionam.

 
what if dr strange

Doctor Strange, com o seu potencial mágico ilimitado, sempre se sentiu como uma das cartadas do baralho mais perigosas do MCU, e o quarto episódio de What If, deixa claro o porquê. Como guardião da nossa realidade, a perspectiva cósmica de Strange e o acesso à Pedra do Tempo tem sido uma bênção até este ponto - os próximos eventos em Spider-Man: No Way Home, talvez mudem essa percepção - mas aqui, as consequências de um Strange obcecado pelo seu grande poder, sem pensar na grande responsabilidade que se lhe segue, são terríveis.


A decadência do Feiticeiro Supremo na loucura de dor é um conto de precaução eficaz sobre o que a perda pode fazer a uma pessoa e reforça o argumento de que estas histórias mais maduras são a faca e o queijo de "What If".

O Episódio 4 assume a viagem mística de Strange (Benedict Cumberbatch) - o acidente de carro que lhe tirou as mãos - e distorce o destino ao colocar a Dra. Christine Palmer (Rachel McAdams) no lugar do passageiro. Strange perder o uso das suas mãos já era um motivador compreensível para a sua viagem a Kamar-Taj no seu filme no MCU, mas a morte de Christine coloca-o num estado de espírito ainda mais desesperado quando lá chega.


Ele ainda é capaz de derrotar Dormammu e tornar-se Feiticeiro Supremo, mas a Pedra do Tempo à volta do seu pescoço fica cada vez mais pesada à medida que o poder de Strange cresce.

Enquanto Strange é capaz de viajar no tempo até à noite do acidente (O que é algo que nunca vimos fazer antes com a Pedra do Tempo), nada do que faz salva Christine de morrer: é um evento nexus, ou um "ponto absoluto no tempo" como este episódio se refere a ele. Enquanto a nossa compreensão da importância de um evento Nexus para a trama do MCU continua a crescer, o conceito é usado maravilhosamente neste episódio para representar os efeitos da tragédia, da perda tão dolorosa que desfazíamos o mundo para a inverter.


A maratona de convocação de monstros para absorver o seu poder, que se estende por séculos, é uma grande ilustração disto, evocando o seu intenso foco na negociação com Dormammu a qualquer custo pessoal.


Com cada criatura (ou gnomo de jardim maléfico) absorvido, Strange torna-se literalmente mais num monstro. Há um elemento de horror gótico em todo o episódio, com Strange posicionado tanto como Doutor Jekyll como Frankenstein à medida que aprende o custo da sua arrogância. What If é um grande meio para estes jogos de moralidade onde se pode mergulhar demasiado talvez por ser em animação.

Cumberbatch transforma-se num bom desempenho vocal, especialmente quando a incapacidade de Strange de salvar Christine está a fazer girar os parafusos na sua mente. Rachel McAdams tem um papel ingrato como pouco mais do que a fonte de dor de Strange, mas ela tem tempo para trazer alguma intensidade ao seu desempenho na sua cena final.


O episódio estica-se por vezes a si mesmo, explicando as manobras temporais em curso, complicando a história ao revelar que a Anciã (Tilda Swinton) usou o poder da Dark Dimension para criar duas versões do Doctor Strange na mesma realidade.


Estranho sendo "meio homem, vivendo metade de uma vida" é uma distracção, um desenvolvimento desnecessário que se sente engendrado apenas para nos dar uma cena de luta mágica Strange vs. Strange no final. O MCU está a ficar demasiado obcecado com estes jogos de rancor espelhados, e todas as cordas e portais brilhantes no multiverso falham em fazer com que todo o "és literalmente o teu pior inimigo" se sinta fresco.


De facto, a maioria dos momentos visuais mais fortes deste episódio são os mais emocionalmente evocativos, como as sombras da nova horda de demónios de Strange a dar lugar ao seu novo aspecto bizarro. Apesar do envolvimento distractivo da Anciã, a história mantém a sua trajectória, dando uma das voltas mais sombrias da história do MCU, nos momentos finais.

what if dr strange

A totalidade do fracasso do Evil Strange cai sobre ele quando The Watcher (Jeffrey Wright) finalmente se revela, o que nos é dado uma amostra do que já foi dito anteriormente quando Strange o ouve através de qualquer ruído cósmico enquanto The Watcher narra ao espectador. Ele tem prometido não interferir e, mesmo com a realidade a ruir em torno do Evil Strange, ele mantém a sua palavra.


Ver What If comprometer-se a criar um universo num único episódio e depois deixar as escolhas do herói serem tão devastadoras que destroem esse universo foi incrivelmente gratificante, e também nos deu uma visão importante de The Watcher. Esta é a primeira vez que o vemos ignorar activamente uma personagem necessitada, em vez de censurar Strange pelos seus fracassos. É um desenvolvimento interessante para um personagem tão altruísta, aquele que exalta a importância da escolha enquanto é definido pela sua própria apatia.

What If tem a liberdade de contar qualquer tipo de história que queira, histórias que os filmes de acção do MCU podem não ter a coragem de enfrentar, pelo que terminar numa nota tão baixa foi um excelente alerta para as novas possibilidades que a liberdade permite.


É claro que há uma escolhas que What If "se compromete": é impossível saber se as consequências são definitivas. Claro, abandonar um Stephen Strange corrompido a gritar numa realidade em colapso é uma escolha ousada e sombria, mas também é fácil imaginar The Watcher ou algum vilão a desfazer esse drama arrancando-o só para o colocar nos Avengers de What If, visto não sabermos o que irá acontecer numa luta final. Ou para dar ao "Sacred Timeline Strange" alguma loucura extra para a sua sequela, Multiverse of Madness, que chega aos grandes ecrãs no próximo ano...


Em Suma


A trágica queda de Doctor Strange prova ser o episódio mais sombrio de todos. Quando focado no número emocional que a morte de Christine assume em Strange, como a dor pode fazer as pessoas boas fazerem coisas más, a história raramente vacila.


O Episódio 4 pode, por vezes, calcular mal na sua utilização de personagens do MCU já estabelecidas, mas há muito a dizer em relação a ao clímax deste episódio, e acerta-o em cheio. Esperemos que a Marvel não esteja com demasiada pressa para arruinar uma coisa boa, desfazendo-a em prol de uma grande cena de luta ao longo do caminho.

 

Conhecido desde infância apenas por Zé, Zé é um aficionado por super-heróis desde que se lembra. Podes segui-lo no Instagram em @zethegamer.