Buscar
  • PM

WandaVision: Análise Episódio 8

O teu apoio ajuda a manter o site online e a crescer ainda mais. Podes apoiar através do nosso Patreon, do Buy me a Coffee ou através de um Donativo. Obrigado pelo apoio!

Esta análise contém spoilers para o episódio 8 de WandaVision. Para recordar onde ficámos, vê a nossa análise do episódio 7 de WandaVision.

Com o final à vista e a grande revelação de Agatha Harkness no final do seu último episódio, seria de esperar que a WandaVision acelerasse o ritmo para o seu penúltimo episódio. Em vez disso, faz precisamente o oposto; o episódio 8 é um exercício de avaliação. É uma série de flashbacks que se assemelha a um teste do conhecimento que nós temos pelo universo da Marvel, assegurando que o público é plenamente informado antes de se dirigir ao derradeiro final. Há algumas alterações divertidas a encontrar, assim como algum valor emocional, mas para quem investiu totalmente, tanto na WandaVision como no MCU, parece que os travões foram calcados quando deveria ter sido o acelerador.


É de salientar que a revelação mais importante do episódio 8 não faz parte do episódio em si, mas sim numa cena a meio dos créditos. Acontece que Hayward esteve a mentir desde o episódio 5 sobre Wanda ter roubado o cadáver de Vision. Em vez disso, reconstruiu Vision - este que manda uma clara inspiração no Vision Branco da banda desenhada - e activou-o usando a energia do Hex. Isto significa que Hayward quebrou as regras dos Acordos de Sokovia, caso seja necessário mais provas de que Hayward é tão corrupto e malvado como já todos advinhavamos. Tudo isto, presumivelmente, abre o caminho para algum tipo de visão zombie versus clone Vision no confronto final.

Uma revelação tão grande como esta é, infelizmente, relegada para um pós-crédito devido à estrutura adoptada esta semana, que tem lugar quase inteiramente na memória de Wanda, e por isso não há espaço de manobra para ver o que se passa na base da SWORD. Este design, que percorre momentos chave da vida de Wanda, actua como um apanhado da sua história até agora. Para quem já investiu no MCU, esta é em grande parte uma mera observação de coisas que já sabem, e mesmo aqueles que apenas viram WandaVision terão juntado estes eventos graças ao diálogo nos episódios anteriores. Isto não quer dizer que não haja mérito nestas cenas; o seu valor primordial para os fãs vem no seu peso emocional, e na forma como contextualizam os elementos da sitcom como a paixão de infância de Wanda. Mas, durante grande parte do episódio, parece que estamos a fazer uma revisão para o nosso exame final de WandaVision, em vez de aprendermos uma série de novos tópicos.


Onde aprendemos coisas novas é com Agatha Harkness, embora parece que a Marvel tenha exagerado no episódio anterior ao sugerir que foi Agatha o tempo todo (aposto que cantaste). É verdade que ela não tem andado a tramar nada de bom, mas Agatha está quase inteiramente às escuras sobre o poder de Wanda, em vez de ser a manipuladora por detrás dela. Isto posiciona-a claramente como uma espécie de investigadora para o episódio, trabalhando como guia para o processo de reflexão do público ao interrogar Wanda de memória em memória, tentando descobrir a raiz do seu poder. Poder que, no final do episódio, Agatha determinou ser Chaos Magic.

Com essa descoberta, Agatha proclama Wanda como a Bruxa Escarlate ("Scarlet Witch"), sugerindo que no MCU o título é algum tipo de profecia ou de linhagem para as bruxas. É uma interessante derivação ao inserir o nome da super-heroína de Wanda na série, e todo o episódio ajuda a estabelecer que esta era a pessoa que estava destinada a ser desde o nascimento, e não através duma experiência. A cena no laboratório da Hydra, na qual Wanda vê uma visão de si própria dentro da Mind Stone, vestida com o clássico fato de Scarlet Witch, foi um método particularmente poderoso para acrescentar um sentimento lendário e de peso à sua história.


É, no entanto, outra revelação que realmente só funciona com o benefício do conhecimento da banda desenhada. Não há nada no episódio que contextualize a Magia do Caos e as suas sinistras origens dos livros de banda desenhada, nem que demonstre realmente como a Agatha veio a identificá-la. Ainda assim, é claro que Agatha quer pelo menos interferir com o que Wanda tem, e irá cruelmente manter os seus filhos reféns para atingir esse objectivo. Isto posiciona a Wanda entre os dois inimigos, a Agatha e a SWORD, para a final, o que, espera-se, irá proporcionar alguns resultados atractivos.

O episódio 8 tem certamente as suas falhas, mas existem componentes suficientes que funcionam para evitar que se sinta verdadeiramente desnecessário. Isto vem em grande parte da própria Elizabeth Olsen, que dá uma sensação de peso às cenas emocionais do episódio. Como sempre no MCU, é nos momentos mais fugazes e discretos que vemos os traços mais interessantes da personagem, por exemplo, no episódio 8 apresentao um flashback entre Wanda e Vision na sede dos Vingadores. Aqui vemos que não foi apenas a morte de Vision que causou todo este pesar, mas uma vida de tragédia acumulada que a "afogou". Olsen transmite realmente o esgotamento de Wanda nesta cena, e é maravilhosamente correspondido por Paul Bettany, que volta ao modo clássico de Vision para um momento de ternura encantador.


A visita de Wanda à sede da SWORD para recuperar o Vision também mostrou uma nova perspectiva; as mentiras de Hayward tinham-nos convencido de que ela tinha roubado o corpo do Vision com a raiva, mas a verdade é muito mais branda do que isso. Vendo o que a SWORD tinha feito, a depressão de Wanda aprofunda-se mais do que transparece na violência, enfatizando ainda mais a triste tragédia da história. A sequência em que Wanda chega a Westview pela primeira vez, e abre a escritura da propriedade assinada pelo próprio Vision, com uma certa mensagem romantica, certamente irá despedaçar até o mais frio dos corações.


Em suma

O Episódio 8 é um recordação da tragédia que se situa no coração de WandaVision. Pode ser um estranho drama mágico que se manifesta como uma sitcom, mas no seu núcleo, a série é uma exploração de como a imensa tristeza pode destruir uma pessoa. Enquanto várias cenas carregam com sucesso esta emoção, grande parte deste episódio parece uma recapitulação. Mas para todos menos para o espectador mais casual, muitos destes momentos revisitados já serão conhecidos ou, pelo menos, intercalados através do desenrolar gradual do programa. Esta estrutura de flashbacks também significa que qualquer grande evolução da revelação de Agatha Harkness da semana passada é tristemente posta de lado. No entanto, o foco na própria Wanda desenvolve-se e duplica o seu destino e a ideia da Bruxa Escarlate, algo que a série definitivamente precisava. Mas, sem grandes reviravoltas para alterar o rumo bastante linear que a série tem seguido desde o primeiro episódio, parece que WandaVision apenas adiou o início do seu grande final com o episódio desta semana.