Buscar
  • PM

The Falcon and The Winter Soldier: Análise Episódio 4 - T1

O teu apoio ajuda a manter o site online e a crescer ainda mais. Podes apoiar através do nosso Patreon, do Buy me a Coffee ou através de um Donativo. Obrigado pelo apoio!

Esta análise contém spoilers para o episódio 4 de The Falcon e The Winter Soldier, agora disponível na Disney+. Podes ler a análise ao episódio 3 neste link.

the falcon winter soldier new captain america

O escudo manchado de sangue pode ser uma metáfora abrupta, mas a imagem final do episódio quatro de The Falcon and The Winter Soldier, no entanto, transmite eficazmente um tema central da série: o estabelecido é um problema. O Capitão América a espancar um homem até à morte com a borda do seu escudo é o ponto final de um episódio que se dedica a separar as numerosas estruturas de poder em jogo, analisando melhor onde residem as lealdades de The Falcon e The Winter Soldier e as mensagens surpreendentemente sombrias que procura transmitir.


O quarto episódio é o mais sombrio, o capítulo mais sério da série até agora. Surpreendentemente, é escrito mais uma vez pelo escritor de John Wick, Derek Kolstad, mas desta vez o enfase na espionagem é posto de lado e o diálogo amigável e divertido da entre os amigos que dizem não ser amigos é quase totalmente purgado do guião. Embora isto faça um episódio mais ousado, funciona a favor da série; os gracejos têm sido muito bem obtidos, porém, um ambiente mais dramático acenta melhor. Em última análise, esta história séria é melhor servida deixando a comédia para trás.


Um foco mais apurado nos assuntos sérios permite ao episódio quatro mergulhar muito mais profundamente nas motivações que conduzem cada uma das suas personagens. Com John Walker, vemos um Capitão América cada vez mais agressivo que se afasta cada vez mais dos ideais estabelecidos pelo seu predecessor. Mas embora evoluindo claramente para a forma de antagonista, as suas motivações são amplamente compreensíveis; ele está irritado não só pelo que vê como um ato terrorista dos Flag Smashers, mas também pela sua incapacidade de os combater devido à sua falta de aperfeiçoamentos. Mas enquanto ele acredita honestamente naquilo por que luta, a sua leitura imperfeita daquilo que o poder concede a uma pessoa leva-o a tornar-se a antítese vingativa e de cabeça quente que era Steve Rogers.

the falcon winter soldier

Isto reflecte-se em Karli Morgenthau, com quem podemos passar muito mais tempo neste episódio, graças ao facto de ela finalmente ter estado frente a frente com Sam. Estas conversas solidificam que os objectivos gerais de Karli são nobres e a sua raiva justificada. O desejo de Sam de compreender a sua abordagem - apesar de todos à sua volta serem contra isto - serve para tornar os Flag Smashers mais solidários e estabelecer pelo menos os fundamentos de uma causa unida entre as personagens. No entanto, tal como Walker, o desespero e raiva de Karli convenceu-a a escolher a violência, e a sua convicção nestes métodos parece apenas tornar-se mais forte e mais problemática, particularmente com as suas ameaças mal guiadas contra a família de Sam.


Tudo isto reforça ainda mais as posições de Morgenthau e Walker não como antagonistas da série, mas como seres humanos complicados num mundo complicado. E num universo cinematográfico que normalmente utiliza o bem e o mal claramente definidos (afinal de contas, essa é a forma de banda desenhada), é admirável ver o showrunner, Malcolm Spellman, a manter a série fiel a esta visão. No entanto, isto faz com que, ocasionalmente, se assista com confusão; há momentos frequentes neste episódio em que tantas personagens estão em oposição a Karli que parece que a série está a instruir os espectadores de que ela é uma vilã claramente lapidada. Mas, através da utilização das simpatias de Sam e do escudo manchado de sangue como nota final, o episódio quatro é capaz de fechar com os seus valores e mensagens em claro enfoque.

Isto não quer dizer que não haja alguns factores a trabalhar contra isto. O Episódio 4 passa muito tempo a lidar com as reacções por parte dos Flag Smashers ao GRC, e quanto mais o Falcão e o Soldado de Inverno se concentram nisto, mais desfocado e fora de sintonia com o resto do MCU se sente. Em Spider-Man: Far From Home, o regresso de metade da população foi enquadrado como algo alegre e bem aceite. A WandaVision tornou o momento mais traumático, mas não se tem sentido o quanto era uma crise humanitária antes de The Falcon and The Winter Soldier. Embora seja bom que o espectáculo revele novas e mais complicadas camadas a este respeito, raramente há qualquer exploração de como e porquê das acções do GRC, e apenas um foco na resposta de Karli. Reforçar a compreensão do público sobre a forma exacta como o GRC maltratou o Blip não só reforçaria a posição de Karli, como também apoiaria o ponto principal do programa sobre o maltrato do poder.

karli the falcon winter soldier

Da mesma forma, o aparecimento da Ayo e da Dora Milaje parece um pouco incompleto para uma série tão multifacetada. Afinal, Ayo está simplesmente na cidade porque Wakanda ainda nutre um ódio omnipotente por Zemo (que, honestamente, assassinou o seu rei). Embora uma presença de Wakanda na história pudesse idealmente servir um propósito mais interessante, ela fornece a mais notável cena de luta do episódio. Os movimentos de ataque giratórios da Dora Milaje acrescentam certamente um pouco de estilo dos livros de banda desenhada à abordagem de combate de outro modo fundamentada da série. Mas é o impacto psicológico que este ataque tem que é o mais importante; Walker aperceber-se de que pode ser derrotado por inimigos regulares e não melhorados, e o ponto de ruptura que o leva a tomar ele próprio o soro. Agora, aprimorado como Steve estava, esperamos estar em posição de explorar exactamente o que acontece quando um homem indigno toma o manto completo do Capitão América.


Entre todos estes momentos pesados, o acto contínuo do Barão Zemo a la Hannibal Lecter é uma divertida mudança de tom que ainda permanece sinistra. O seu engenho permite-lhe aprofundar a sua própria agenda em segredo, e tal como com o seu aparecimento na Guerra Civil, ele prova ser um vilão complicado com um ponto justo. Mas embora a sua trama pessoal não esteja directamente relacionada com lutas bastante americanas que as outras personagens estão a tentar desvendar, a sua discussão sobre como os super-poderes levam a uma supremacia perigosa é mais um exemplo da série que liga inteligentemente os seus muitos elementos separados ao seu tema central de poder abusivo.

new captain america the falcon winter soldier

Em Suma


The Falcon and The Winter Soldier entra na sua metade final com um episódio sombrio e sério. A nível do guião, é um desvio do estilo de comédia entre amigos que os capítulos anteriores tinham estado a construir, mas isto permite que os acontecimentos se desenrolem com o peso adequado que os temas do programa exigem. E há uma enorme ênfase nos temas deste episódio, de tal forma que Sam e Bucky - apesar de estarem sempre presentes - não sentem aqui o acto principal. O quarto episódio aprofunda a vida e as motivações de Karli Morgenthau e John Walker, proporcionando múltiplas novas camadas às suas personagens e acrescentando ainda mais à complexidade da situação que Sam e Bucky têm de resolver. E ao finalmente reunir os seus protagonistas e antagonistas nas interacções cara a cara, The Falcon e The Winter Soldier estabeleceram devidamente as suas relações e interesses, e puseram-se a caminho para o que parece ser dois episódios finais pesados.



Geek a tempo inteiro, PM é o fundador do projeto Tretas do Cromo. Podes segui-lo no Instagram em @senhor_pm e no twitter em @senhor_pm.