Buscar
  • PM

The Falcon and The Winter Soldier: Análise Episódio 1 - T1

O teu apoio ajuda a manter o site online e a crescer ainda mais. Podes apoiar através do nosso Patreon, do Buy me a Coffee ou através de um Donativo. Obrigado pelo apoio!

Esta análise contém spoilers para o episódio 1 de The Falcon e The Winter Soldier, agora disponível para visualização na Disney+.

falcon and the winter soldier

Nossa, O Falcão e O Soldado de Inverno começou de maneira triste. O primeiro episódio é uma re-introdução sombria a dois dos heróis menos destacados do MCU. Mas longe de fazer do episódio uma miséria, esta abordagem proporciona instantaneamente à série uma personalidade forte. Em menos de uma hora, começa a abordar com ponderação temas de trauma, dever, e legado. Tem alguma acção espectacular, sim, mas dificilmente é o oposto expressivo do excêntrico de WandaVision. Em vez disso, a estreia de The Falcon e The Winter Soldier é medida e possui uma profundidade genuína.


Estas qualidades são evidentes tão cedo como o plano de abertura discreto do episódio, no qual Sam Wilson, de Anthonty Mackie, examina o escudo de Steve Rogers. As emoções conflituosas são evidentes aos olhos de Sam; luta com o que significa ser instado a seguir as pegadas do herói principal da América. Vê-se nas suas manifestações a sua tristeza por ter perdido Steve, e a sua incerteza sobre o que isto significa para o seu futuro. E, ao colocar o escudo na sua mala, até mesmo algum pequeno desprezo que ele tem de lidar com tal responsabilidade. Com tudo isto, e a série ainda nem sequer alcançou a meta de um minuto.


Surpreendentemente, em vez de abraçar o manto de Steve, abdica dele. Uma conversa comovente com o Rhodey de Don Cheadle, que assiste à cerimónia de entrega do escudo, ajuda a montar as bases do arco do Falcão; enquanto Sam pode não se sentir como se pudesse ser o novo Capitão América, o país está a precisar desesperadamente de um. Isto inicia a viagem do Falcão e do Soldado de Inverno para um lugar onde, presumivelmente, Sam reconhecerá a sua própria força e responderá a esse apelo. Ou talvez não, se a Marvel optar por brincar mais uma vez com as nossas expectativas.


Os momentos finais do Episódio 1 já impulsionam a história com a introdução de um novo Capitão América do Departamento de Defesa, interpretado de forma breve por Wyatt Russell. Mais uma vez, os olhos de Mackie dizem tudo nesta cena; não queria simplesmente não substituir o próprio Steve, não queria ver ninguém a pegar no manto. Há também aqui algumas implicações fascinantes que espero que episódios futuros venham a investigar, nomeadamente se um Capitão América criado pelo Estado é efectivamente apenas mais um braço do seu poder militar. Enquanto isto reflecte a origem da personagem, a história de Steve viu-o disposto a rebelar-se contra o governo corrupto para defender os valores centrais americanos, e assim um Capitão América controlado pelo Departamento de Defesa parece estar em oposição ao seu legado.


No entanto, as contínuas lutas de Sam com o legado de Steve são apenas uma parte da série. Afinal, ele não é o Capitão América, e por isso também vemos muitas das questões pessoais do Falcão. Tudo isto está bem embalado como parte da sua relação com a sua irmã, Sarah (Adepero Oduye), que está a lutar para manter a sua família sustentada. A cena no banco, em que Sam e Sarah solicitam um empréstimo, é brilhantemente multifacetada.


Proporciona um humor leve enquanto o agente financeiro reconhece um Avenger, mas a diversão logo se quebra à medida que Sam responde a perguntas demoradas sobre como os super-heróis pagam as suas contas. O abismo entre o recentemente falecido Homem de Ferro - com as suas mansões e torres e riqueza infinita - e Falcon, que está a assumir contratos governamentais para tentar pagar as contas, é penosamente evidenciado. E como o agente financeiro rejeita a candidatura de Sam e Sarah, é evidente que o escritor, Malcolm Spellman, tece comentários sobre a divisão racial infligida pelo sistema. O Spellman já declarou que o facto de Sam ser um homem negro será activamente reconhecido pela série, pelo que não perdeu muito tempo a fazê-lo.

falcon

Este primeiro episódio está dividido quase ordenadamente em dois enredos, o de Sam e Bucky, em virtude de estarem separados durante toda a sua duração. A exploração do ( antigo) Soldado de Inverno não é tão rica como a do Falcão, mas mostra uma ambição igualmente admirável. Aqui, o foco está na recuperação de Bucky de décadas de doutrinação da Hydra, na sua tentativa de corrigir as suas acções passadas, e nos seus esforços de integração na sociedade civil americana. É seguro dizer que nenhuma destas tarefas se está a revelar fácil.


Uma parte da história de Bucky é contada através do enquadramento de uma sessão terapêutica, demonstrando uma compreensão da carga mental que tudo isto implica. O método de terapia que ele usa, que envolve pedir desculpa àqueles que foram feridos na sua vida anterior, é paralelo ao da recuperação do abuso de substâncias. Isto proporciona um outro ângulo sobre questões sociais importantes, ao mesmo tempo que reconhece as múltiplas camadas da sua situação de vítima/perpetrador.


Lamentavelmente, a sua terapeuta cai no cliché do conselheiro durão que, penso, prejudica ligeiramente a sua mensagem de levar estas questões a sério, mas há definitivamente um reconhecimento de que o trauma do passado está a assombrar Bucky. Ele sempre foi um personagem temperamental e um pouco bidimensional, o que não ajudou Sebastian Stan a injectar-lhe muita vida. Isso continua a ser um pouco verdade aqui - é definitivamente o mais fraco da dupla neste episódio - mas a exploração deste lado difícil de Bucky começou pelo menos a tornar a sua personalidade torturada mais autêntica.

bucky

Apesar de todo este trabalho com as personagens, este primeiro episódio ainda consegue envolver-se numa emocionante luta aérea com o Falcon. Situado nos desfiladeiros rochosos da Tunísia, há mísseis, fatos de asa, e helicópteros em explosão em abundância, com uma grande direcção de acrobacias que recorda o design mais prático dos filmes de Nolan. O inimigo de Falcon aqui é o terrorista francês Batroc, e aprecio a simetria que traz entre este episódio e a abertura da missão naval do Capitão América: The Winter Soldier. Mais tarde, também recebemos o flashback de Bucky no seu trabalho de assasinato num hotel luxuoso, que mais uma vez recorda a direcção estilo thriller dos irmãos Russo dos seus filmes do Capitão América. Embora, no geral, isto não seja uma abertura cheia de acção, estas sequências prometem que o que está para vir deve ter uma textura adequada.


O que não tem muito tempo de ecrã é o panorama geral do Falcão e do Soldado de Inverno. As sementes são plantadas para uma batalha contínua com o grupo antagonista The Flag Smashers, e a porrada que a nova personagem de suporte, Torres, leva durante o assalto a um banco na Suíça, mostra que não devem ser confundidas de ânimo leve. Mas até agora, a verdadeira "missão" da série ainda não demonstrou porque é que vale a pena dedicar atenção à mesma. Embora eu não seja contra The Falcon and The Winter Soldier por ser quase inteiramente um episódio de desenvolvimento das personagens, espero que a história de The Flag Smashers se revele um valioso anzol em episódios subsequentes, pois neste momento parece um pouco como material de fundo.

us agent

Em Suma


O Falcão e o Soldado de Inverno abre forte. Apesar de a história não captar suficientemente depressa para a tornar numa estreia verdadeiramente de cortar a respiração, o seu tempo de execução está repleto de reflexões e temas que vão mais fundo do que muitos filmes e séries Marvel. Aproveita a oportunidade para estabelecer Sam e Bucky como personagens capazes de liderar as suas próprias histórias, o que os eleva acima dos seus papéis anteriores na MCU e os prepara para a viagem que se avizinha. E embora esta estreia seja mais reconhecivelmente ao estilo Marvel do que a invulgar WandaVision, não se enganem: O Falcão e O Soldado de Inverno já começou a explorar um novo e excitante terreno para o Universo Cinematográfico da Marvel.