Buscar

Ranking do melhor e pior do DCEU (Incluindo The Suicide Squad)

Com o novo filme da DC, realizado pelo James Gunn, temos de alterar o ranking na lista de filmes da DC. Eis a nossa lista.

 
dc ranking de filmes

Depois do Esquadrão Suicida de 2016 se ter tornado um dos filmes de banda desenhada mais divisivos de sempre, foram necessários cinco anos para James Gunn e a Warner Bros introduzir o seu sucessor, The Suicide Squad. Inclinando-se na sua classificação para maiores de 16 e entregando explosivamente a promessa de Gunn de que iria arruinar qualquer fã que ganhasse um novo membro favorito da Task Force X, o filme foi um sucesso crítico desde o início, mas a questão de como se encaixa no resto do DCEU ainda tem de ser respondida.


Com início em 2013 com um Homem de Aço muito mais atual, o DCEU mudou significativamente desde esse lançamento; a franquia inicial foi muito influenciada pelo director Zack Snyder, mas essa influência diminuiu desde então. Além disso, enquanto o DCEU começou com alguns dos seus maiores nomes, desde Superman a Batman e Wonder Woman, há agora um foco mais nas personagens menos conhecidas, com o esquadrão de James Gunn, The Suicide Squad, a fechar em completo esta filosofia.


Na sequência de alguns dos lançamentos mais controversos, a Warner Bros ainda obteve grandes êxitos, com a Wonder Woman a provar ser um grande sucesso, o Aquaman a quebrar a barreira dos 1000 milhões de dólares em todo o mundo, e tanto o Shazam! como o Birds of Prey a receber aclamação popular e da crítica.

Então, como se classificam todos os filmes do DCEU até agora? Aqui está um olhar sobre todos os filmes desta franquia até agora, classificados do pior para o melhor. Para isto, vou voltar aos tempos de escola e em vez de publicar por ranking numerário, vou classificar os filmes usando as notas que recebia na escola, de mediocre a excelente. Só por ser mais divertido. Comecemos.


Medíocre - Justice League

justice league dc

Quando a Warner Bros. anunciou pela primeira vez a Liga da Justiça, pretenderam que fosse o culminar triunfante de tudo aquilo para que o DCEU tinha vindo a trabalhar desde 2013. Infelizmente, tudo correu muito mal; o realizador Zack Snyder deixou parte da produção, com Joss Whedon a assumir o controlo e a realizar uma enorme quantidade de filmagens adicionais. O resultado é um Monstro de Frankenstein de um filme que não é fiel nem a Snyder nem a Whedon, e que não completa as linhas de enredo semeadas nos filmes anteriores. O bigode substituído de Henry Cavill via CGI tornou-se infame, mas todo o filme sofre com as mudanças impostas.


Os filmes anteriores até então, Man of Steel e Batman v Superman: Dawn of Justice eram essencialmente fábulas, tendo em conta como Snyder contava a história, criando uma mitologia com super-heróis, mas a Liga da Justiça joga isso tudo fora - e como resultado, sente-se muito aquém dos seus antecessores. O facto de, vários anos após o lançamento da Liga da Justiça, a única conversa sobre o filme era se esta versão era ou não melhor que o Snyder Cut (e o facto desta versão da Liga da Justiça estar no fundo da lista serve como resposta).


Não Satisfaz - Suicide Squad

suicide squad 2016

Antes da Liga da Justiça, o Esquadrão Suicida foi outro filme do DCEU profundamente alterado, após a produção ter sido concluída. No início de 2016, a Warner Bros. ficou preocupada com o tom do filme de David Ayer que não correspondia à campanha de marketing tentava demonstrar, e com o desempenho desanimador das bilheteiras de Batman vs. Superman (872.7 milhões de dólares, pouco nos valores da Warner Bros. que projetava para ultrapassar a marca de 1 bilião), foi a justificação dada pelo estúdio para a completa remodelação do filme.


No final, o corte cênico final foi essencialmente duas versões diferentes - uma do realizador, outra de um trailer - costurado durante a pós-produção e sentindo-se mais do que um pouco incompleto. A sequência introdutória apresenta o historial da equipa numa série de flashbacks, intercalados com gráficos lúdicos que apareceram nos trailers.


Infelizmente, e de uma forma um pouco chocante, esses gráficos são depois completamente abandonados em relação ao resto do Esquadrão Suicida. Para dar uma ideia de como este filme está realmente desarticulado, há nada menos que duas cenas seguidas em que Amanda Waller, de Viola Davis, explica porque é que o mundo precisa do Esquadrão Suicida e sobre o que é suposto a equipa existir.

Por muito instável que seja a edição do "Suicide Squad", apresenta em elenco fantástico. As verdadeiras estrelas são a Harley Quinn de Margot Robbie e a já mencionada Amanda Waller de Viola Davis, ambas na perfeição dos seus papéis. De facto, uma das coisas boas deste filme é que a Warner Bros. mudou Harley Quinn para a linha da frente dos seus planos, tendo a personagem se tornado uma anti-heroina e líder do grupo das Aves de Rapina ("Birds of Prey").


Satisfaz menos - Wonder Woman 1984

wonder woman 84

As expectativas eram elevadas para Wonder Woman 1984, que teve o infortúnio de estrear no auge da pandemia do coronavírus. Infelizmente o filme é bastante decepcionante, em grande parte devido a um enredo confuso e a algumas decisões criativas muito bizarras.


Gal Gadot e Chris Pine são excelentes, e a química entre eles chega ao ponto de justificar a decisão de trazer de volta o amor perdido de Wonder Woman, Steve Trevor. Pedro Pascal brilha como Maxwell Lord, o bilionário faminto de poder cuja busca por um artefacto antigo chamado Dreamstone arrisca-se a fazer mal a toda a vida na Terra, mas é provável que essa actuação falhe claramente o ano em que o filme se desenrola, 1984; Certamente estará a canalizar Donald Trump.


Satisfaz - Batman V Superman: Dawn Of Justice

batman v superman

O segundo filme da trilogia de Zack Snyder, como a DC o classifica agora, Batman v Superman: Dawn of Justice marca o ponto em que o DCEU se tornou verdadeiramente divisivo. Batman v Superman foi desprezado pela crítica, mas é visto como um clássico religioso pelos fãs do estilo cinematográfico de Snyder. A diferença de opiniões é melhor exemplificada pelas pontuações do filme no site da Rotten Tomatoes; tem uma Pontuação pela Crítica de apenas 28% contra uma Pontuação do Público de 63%.


Poucos negam dizer que o Batman V Superman não tem os seus problemas; por incrível que pareça, nem sequer consegue cumprir a prometida batalha entre os dois heróis icónicos da DC. A luta está traçada, mas termina com uma rapidez notável e de uma forma que francamente parece ter sido feita em cima do joelho (a Martha continua a ser infame). Claro que podemos analisar esta cena e dizer que o nome de ambas as mães dos heróis, têm um poder muito psicológico no Bruce, visto ser um rapaz que precisava claramente de um psicólogo que nunca teve. E a simples audição do nome da sua mãe, traz-lhe constantemente memórias da trágica noite enquanto era criança. Não querendo alongar muito a analise à cena aqui, mesmo tendo a luta acabado de maneira abrupta, é claro que o enfase foi dado desde o inicio do filme para este momento, desde as pérolas a cair até ao último suspiro do Thomas Wayne, o qual é uma única palavra, Martha.

Posteriormente, transforma-se num filme completamente diferente, um filme que toma a ousada mas questionável decisão de matar o Super-Homem. No entanto, é possível ser-se demasiado crítico em relação ao Batman v Superman. O maior ponto a seu favor é inegavelmente a notável profundidade de imagem e simbolismo entrelaçado no filme por Snyder, com o Super-Homem retratado como uma figura divina complexa (um Cristo de capa se quisermos), e conflituosa contra um contexto moderno da sociedade. A introdução de Gal Gadot como Wonder Woman é um dos pontos altos, com o compositor premiado com um Óscar, Hans Zimmer, a criar uma obra icónica e inesquecível para a cena.


Satisfaz bem - Birds Of Prey

birds of prey dc comics

O filme de Cathy Yan, Birds of Prey, é na realidade um filme de Harley Quinn com várias personagens femininas de grande valor como apoio. E é exactamente o que se esperaria de um filme de Harley Quinn; uma montanha-russa louca através da cidade de Gotham, enquanto Harley luta para escapar à sombra do Joker enquanto salva uma carteirista adolescente que, involuntariamente, se tornou a Mais Procurada de Gotham. As Aves de Rapina não é propriamente um filme muito profundo - para além da própria Harley, as Aves de Rapina sentem-se frequentemente reduzidas a segundo plano, e o filme não ajuda propriamente a resolver o problema.


O estilo narrativo é divertido e ecléctico, representando a própria Harley como sendo uma narradora pouco fiável, e basicamente funciona apesar de alguns tropeços. Estranhamente, o filme Birds of Prey não parece realmente merecer a sua classificação para maiores de 16, com as poucas cenas gráficas a parecerem desnecessárias; poderia ter tido um melhor desempenho na bilheteira se a Warner Bros. tivesse ido com uma classificação mais baixa.


Bom - Superman: Man Of Steel

superman man of steel

Man of Steel de Zack Snyder reimagina o Super-Homem como um super-herói do século XXI que é igualmente temido e receado pelo mundo em geral. Tirando o testemunho do trabalho de Christopher Nolan em The Dark Knight Trilogy, o realizador/autor cria uma bela e dramática reedição da história de origem de Kal-El, passando mais tempo a explorar o planeta de Krypton do que qualquer adaptação anterior do Super-Homem. O retrato sombrio de Cavill contrasta nitidamente com o de Christopher Reeves, mas enquadra-se na estética e tom do DCEU a quando do seu nascimento. Em parte, para se distanciar do tom mais colorido e amigável da Marvel até então.


Como filme isolado, Man of Steel foi empolgante; de facto, poderia até ter servido como o início perfeito para uma série de filmes independentes do Super-Homem no estilo dos filmes do Batman de Nolan. Infelizmente, tornou-se muito mais; é a base sobre a qual cada filme subsequente do DCEU foi construído, o que significa que a versão de Snyder sobre o Super-Homem (que podemos classificar como uma versão alternativa da personagem) foi distorcida para ser a principal interpretação do personagem.


Com tudo isto, o filme também se tornou divisivo entre a comunidade geek, pois para a critica este é mais um filme fraco da DC, mas que para uma grande quantidade de fãs, esta é uma versão diferente do Sups e uma versão mais atual, incluída numa sociedade divisiva e critica de todos os aspetos sobre um herói.


Outro dos pontos negativos e muito comentados, é o fim do filme, onde é mostrado uma grande batalha que causa uma gigante destruição da cidade de Metropolis e onde Superman mata o seu vilão ao contrário de um mais clássico herói onde poupa os seus adversários. Contudo, este continua a ser um dos melhores filmes de banda desenhada já feitos, e toda a representação do Superman é de primeira água, o que leva a comunidade a olhar para 2013 e indicar este filme como um dos melhores até à data. E que na minha opinião, Henry Cavill continua a ser a melhor opção para usar a capa de Superman.


Bom - Aquaman

aquaman

Com Jason Momoa como o herói principal, Aquaman é um dos filmes mais robustos da DC até à data. Não é um filme perfeito, mas Aquaman é impulsionado pela luxuosa construção do mundo do realizador James Wan enquanto explora a versão da Atlântida da DC.


Momoa assenta que nem uma luva e há uma química formidável entre ele e a sua companheira, Amber Heard. Wan é um director de filmes de terror, e isso é visível na sua utilização do mito de Cthulhu e num ataque da raça monstruosa conhecida como Trench. Numa bela reviravolta temática, porém, estes monstros provam ser o primeiro exército do Rei do Mar - e os seus aliados mais fiáveis. O enredo reconhece que Aquaman é habitualmente ridicularizado por ser um super-herói que pode falar com os peixes, e transforma essa habilidade tão desdenhada no seu maior poder.

Aquaman contrasta nitidamente com os filmes anteriores do DCEU. Onde Man of Steel era sombrio e melancólico, Aquaman tem uma energia quase absurda que praticamente o alimenta. O filme poderia provavelmente ter feito uma montagem melhor pelo meio, mas no seu todo é um filme muito bem sucedido.


Muito Bom - Shazam

Em termos de pura brincadeira não adulterada, a Shazam! de David F. Sandberg simplesmente ninguém ganha. Com Asher Angel como Billy Batson e Zachary Levi como o super-herói adulto em que ele se transforma, Shazam! é um passeio feroz e irreverente. O marketing tinha-se concentrado no humor, e quase todas as piadas caem na perfeição. Shazam! mistura a luz e a escuridão com facilidade e sem esforço. O núcleo emocional do filme é a relação entre Billy e o seu irmão adoptivo Freddy (Jack Dylan Crazer), que ilustra o carácter egoísta de Billy e acaba por o forçar a acordar para o facto de ter toda a família de que necessita.


É o terceiro acto que diferencia Shazam! de muitos outros filmes de super-heróis. Os blockbusters de super-heróis lutam muitas vezes para fazer o seu último acto funcionar, perdendo os seus temas numa sequência de acção bastante padrão "vencer o mau da fita" ou num festival de efeitos gráficos. No caso de Shazam!, no entanto, o guião junta todos os fios de uma forma emocionalmente gratificante. Embora seja verdade que algumas das personagens secundárias não têm tempo suficiente para brilhar, isso é um problema compreensível, tendo em conta a quantidade de irmãos adoptivos que Billy tem. Esperemos que a sequela se baseie nisso, e prove que um raio pode acertar duas vezes no DCEU.


Muito Bom - The Suicide Squad

suicide squad

A julgar pelas primeiras críticas e pela recepção de The Suicide Squad em todo o mundo, haverá um apelo considerável para que a estreia de James Gunn no DCEU seja considerada como a melhor franquia. O que não pode ser sobrestimado é o quão diferente é a sequela ensanguentada, do resto dos filmes da DC.


Numa franquia que, que torna vilões em heróis, o filme de Gunn não deixa de chafurdar positivamente aqueles que perdem a vida ao fazerem algo mais benevolo. Como Gunn provou no MCU com os filmes dos Guardiões da Galáxia, ele tem um dom incrível para fazer com que o seu público se preocupe com as personagens mais insignificantes - um ponto repetido de forma bastante acentuada no momento mais sentimental de The Suicide Squad. Com o coração no seu triunfo, há multidões a tornarem um sucesso de bilheteira um filme que se centra numa estrela-do-mar gigante a lutar contra um bando de vilões de banda desenhada de 4º categoria.


O elenco é fenomenal, incluindo aqueles com tempo de ecrã limitado, com o Bloodsport de Idris Elba, o Peacemaker de John Cena, o King Shark de Sylvester Stallone, o Polka-Dot Man de David Dastmalchian, e particularmente a Ratcatcher 2 de Daniela Melcior, todos em destaque.

Além disso, uma revitalização triunfante de Rick Flag de Joel Kinnaman e mais um grande trabalho de Margot Robbie como Harley Quinn, isto é uma receita para um grande sucesso. Existem talvez algumas questões de ritmo, em parte devido ao cenário de comédia e ação do acto de abertura, mas O Esquadrão Suicida é tão divertido e ousado como o seu antecessor foi infelizmente mal orientado.


Isto não é para crianças, e o sangue que foi derramado pode até ver-se nas águas do Douro (piada forçada, eu sei), mas Gunn consegue dar a quase todas as suas personagens um momento memorável e há mais do que um toque de ouro no processo.


Muito Bom - The Snyder Cut

A Snyder Cut da Liga da Justiça foi por fim libertada na HBO, e embora possa não fazer oficialmente parte do DCEU, o seu estatuto palpável significa que merece realmente um lugar nesta lista. O Snyder Cut é infinitamente melhor do que o lançamento nos cinemas, desde a alma que as personagens ganham até ao investimento que nos faz sentir durante todo o filme, juntando as resmas de fios de história que foram lançados nos anteriores filmes do DCEU, principalmente em Batman V Superman.


O Cyborg de Ray Fisher é a estrela do Snyder Cut, com um arco de personagem tremendamente eficaz que o torna o membro mais importante da Liga da Justiça na sua génese. A batalha final entre a Liga da Justiça e as forças de Steppenwolf é bem executada, um conflito verdadeiramente adequado ao estilo mítico de Snyder; embora o renascimento do Super-Homem ainda se revele determinante, tal fato nunca pareceu importante no corte de cinema, onde não se percebia porque era necessário o Superman.


Este é facilmente um dos melhores filmes de super-heróis de Zack Snyder, e a Warner Bros. cometeu um grande erro ao não editar isto para o grande ecrã em primeiro lugar. Todo o trabalho desenvolvido e colocação dos aliceces para um futuro que provavelmente não veremos. Todo o enredo leva a desejar algo mais e melhor e infelizmente não o teremos.


Apesar disto, apenas não dou a nota de excelente ao filme, porque ainda existem uns fios soltos que não fazem qualquer sentido, como por exemplo o porque de a Liga ser criada com base nuns ficheiros de Lex Luthor, (o qual até desenhou os logos para os heróis, homem artístico sem duvida), e pelo constante uso da câmara lenta, que sendo sincero a mim não me afeta, mas foi um dos pontos mais discutidos na nossa comunidade.


Excelente - Wonder Woman

wonder woman

Inegavelmente o filme mais influente do DCEU até à data, Wonder Woman arrancou o teto para os super-heróis femininos. O filme de Patty Jenkins foi cuidadosamente elaborado, e provou que um filme de super-heróis femininos poderia ser um sucesso - arrecadou mais de 800 milhões de dólares em todo o mundo.


Jenkins e a estrela Gal Gadot fizeram sem dúvida uma equipa perfeita, com a Wonder Woman apresentada como uma pessoa complexa e em com vários níveis, que lutava para pôr fim a toda a guerra. A cena de destaque é aquela em que a Mulher Maravilha entra na apelidada Terra de Ninguém, atraindo o fogo inimigo e dando aos Aliados uma oportunidade de avançar no terreno.


Foi uma sequência de acção como nenhuma outra no género super-herói, antes ou depois; sendo mais um momento característico da personagem do que uma zaragata de porrada como todo os filmes de heróis apresentam, simbolizou tudo o que o filme pretendia, alma e carater e uma mulher forte no comando, representado na perfeição aquilo que representa a Wonder Woman.


Se houver algum ponto negativo neste filme, será realmente no vilão Ares, simplesmente pelo fato de aquele bigode nos distrair e em vez do Deus da Guerra, vemos o Lupin de Harry Potter.


Ora este é o meu ranking dos filmes da DC, achas que estou certo ou discordas de alguma classificação dos filmes que apresentei? Diz-me como classificas os filmes nos comentários.


 

Conhecido desde infância apenas por Zé, Zé é um aficionado por super-heróis desde que se lembra. Podes segui-lo no Instagram em @zethegamer.