Buscar

Loki: Análise 1º Episódio

Atualizado: Jun 10

O teu apoio ajuda a manter o site online e a crescer ainda mais. Podes apoiar através do nosso Patreon, do Buy me a Coffee ou através de um Donativo. Obrigado pelo apoio!


*Spoilers para o primeiro episódio de Loki!


Loki, a nova série da Marvel no Disney+, estabelece o seu tom logo de início, num episódio com uma série de gargalhadas e conceitos divertidos, se bem que um episódio onde o drama nem sempre se enquadra bem.


Depois de o Deus dos Enganos (Tom Hiddleston) ter abandonado Avengers: Endgame, Loki encontra-se no deserto de Gobi, na Mongólia (embora não seja claro no momento em que se encontra), e a cena que o reintroduz, meio enterrado na areia, espelha a cena de Tony Stark no Iron Man original, depois de também ele escapar do cativeiro e de se despenhar em terras longínquas. Loki, para sempre um vilão ou anti-herói de segunda categoria, está finalmente pronto para os holofotes, embora a glória não venha facilmente para o Príncipe Asgardiano.


O primeiro episódio da série faz algumas coisas chave. Por um lado, olha para trás e reintroduz-nos a Loki minutos após o filme dos Vingadores original (ou melhor, quando foi revisitado em Endgame), no qual ele tentou (e falhou) conquistar o planeta.


Por outro lado, olha para o futuro do MCU, o qual espera livrar-se da sua bagagem das Pedras Infinitas e das pequenas conquistas planetárias em favor de uma ameaça tão imensa, que a série não tem outra escolha senão colocar em menor escala e pôr de lado os acontecimentos das Fases 1 a 3.


É aí que entra a TVA - a Autoridade para as Variações Temporais.


O primeiro membro da TVA que encontramos é o imponente Caçador B-15 (Wunmi Mosaku), que espanca Loki na boca com o seu bastão, o que envia o aspirante a governante de Midgard a cair lentamente para trás. O seu rosto flopa de forma cómica, e por um momento, não é claro porquê - até que o B-15 entra em cena casualmente a uma velocidade regular, revelando o incrível poder temporal que possui como se fosse uma tarefa quotidiana e mundana. Lá se vai o "glorioso propósito" de Loki.


A sede da organização, existe fora do tempo e procura preservar a linha temporal estabelecida à medida que a vemos desdobrar-se. Como Loki é levado sob custódia e processado, os trabalhadores do escritório da TVA colocam-lhe perguntas que parecem demasiado extensas para serem compreendidas, mas que são bastante rotineiras para os funcionários - como fazer com que ele assine um documento que confirma tudo o que já disse.


Loki fala da sua própria divindade e dos seus planos de dominação, mas estes soldados de escritório não se importam minimamente. Uma vez a ameaça principal para os Vingadores, Loki é uma mera mosca para a TVA, uma praga que se abate sem dar muita importância. Para estes seres cósmicos, as Pedras Infinitas são bugigangas descartáveis. Qualquer que fosse a grandeza que Loki e o MCU tinham em tempos, foi agora completamente destruída. O que gera um pouco de comédia no simples fato.

A TVA localiza desvios no tempo - como este Loki de 2012, que não vai continuar a viver a mesma vida como o Loki que vimos - e remenda estes ramos da linha do tempo, assegurando assim uma continuidade singular; " a linha do tempo sagrada", como os seus membros lhe chamam. Eles são servos atentos aos acontecimentos tal como ditados pelos todo-poderosos The Time Keepers, um trio de seres divinos cuja palavra aceitam, e que são semelhantes à Trindade do Cristianismo, e ao Hindu trimūrti: Brahma o criador, Vishnu o preservador, e Shiva o destruidor.


O que eles dizem fica, e não muda. O que eles consideram indigno de existência, bem, vemos o que acontece quando não é cumprida a regra, são simplesmente evaporados pelos Minute Men da TVA, cujo são os polícias do tempo, embora os seus capacetes evocam uma mentalidade mais fascista.


Existe, contudo, um trabalhador da TVA, o agente Mobius (Owen Wilson), cujas ideias diferem da norma, ainda que apenas ligeiramente. Esta versão de Mobius quer preservar os eventos existentes, mas também quer ver como esta nova história de Loki se vai desenrolar. Há uma ameaça assassina à espreita noutro lugar no tempo, e Mobius acredita que Loki pode ser a chave para o apanhar.

loki episode 1

Wilson e Hiddleston têm uma química hilariante. A indiferença do primeiro, e a sua desconexão com os delírios shakespearianos do segundo, transforma-os num acto clássico. É uma rotina divertida, embora seja muitas vezes quebrada por segmentos dramáticos que são muito menos convincentes.


Estas cenas, nas quais Loki recebe imagens da sua vida alternativa em filmes anteriores da Marvel, fazem com que as coisas parem em serviço de lhe mostrar um futuro que já não existe para ele, e fazem com que o episódio se pareça com uma retrospetiva da vida do Asgardiano.


Ao testemunhar estes fracassos faz uma brecha no narcisismo de Loki, também leva a um momento de realização pessoal que se sente demasiado rápida e sem tacto para ter um impacto emocional em termos, ou seja, Loki senta-se e explica as verdadeiras razões das suas acções no passado, em vez de as suas acções no presente reflectirem a sua aparente profundidade de carácter.


Uma pena, considerando o quão bem algumas outras cenas são capazes de capturar o seu espírito (como o divertido flashback dos anos 70 em que se revelou ter sido um notório criminoso).


O episódio de estreia é muito mais hábil em estabelecer quem Loki não é, do que quem ele é. Em cada etapa, a TVA trata-o explícita e implicitamente como se ele não tivesse importância no grande esquema das coisas, e como se ele nunca o tivesse tido.


Do mesmo modo, as várias referências da TVA às auras temporais e a tal dica de multiverso muito mais amplo da Marvel fora do que já vimos.

gif

A construção do mundo da série é rentável e divertida, mesmo que a sua construção de carácter não atinja esse nível. É difícil conseguir uma interpretação sobre Mobius, por exemplo, não porque haja algum mistério nele, mas porque ele diz coisas que não se encaixam necessariamente (ele admira Loki num momento, mas não se importa com ele no seguinte), e a série, como a maioria do MCU, depende em grande parte do diálogo para revelar as suas personagens centrais e as suas histórias, em vez de como são expostas ou a forma como a câmara as capta.


Fora dos seus personagens, porém, a realização cria um mundo especialmente sedutor. A música original de Natalie Holt passa da brincadeira à reflexão, e acrescenta uma sensação de estranheza e possibilidade.


O design de produção de Kasra Farahani também é excelente; cada escritório e corredor da TVA tem algo novo para focar - pequenos detalhes que nos dizem que tipo de local de trabalho é, mesmo que não lhe digam muito sobre o próprio Mobius.


A adesão implícita da TVA à "linha do tempo sagrada" também faz um contraste intrigante com a perspectiva de Loki, que poderia ser explorada para futuros dramas. Quando Loki expande o seu discurso de feito no filme dos Vingadores ("Fostes feitos para ser governados"), expõe as virtudes dos seres inferiores terem os seus caminhos traçados para os mesmos, o que contorna a incerteza e imprevisibilidade que vem com total liberdade.


A TVA, do mesmo modo, determina um caminho singular para todos no universo, embora esta comparação seja uma comparação que o programa não incorpora realmente de forma alguma significativa, pelo menos ainda não. Esta comparação temática parece ser a chave para colocar Loki e Mobius na mesma página, embora nenhum dos personagens pareça perceber a semelhança.

gif

Ainda assim, quando o episódio termina, traça um caminho dramático emocionante para episódios futuros. Numa cena inicial, uma criança testemunha de um crime, aponta Mobius para uma representação de Satanás, que sem dúvida fará vir ao de cima novamente as teorias de WandaVision sobre Mephisto. Mesmo a próxima menção de um departamento "Knightmare" por Mobius, levanos a expecular novamente as anteriores teorias do s supostos vilões para WandaVision.


No entanto, o episódio também põe um fim imediato a esses mesmos jogos de adivinhação quando sai e revela o vilão viajante do tempo da série numa reviravolta fantástica, montando uma história em que a versão de 2012 de Loki enfrenta um caminho diferente para a redenção - ou potencialmente ainda maior maldade e caos. Esta é uma nota interessante para terminar.


Conclusão:


A estreia da Loki coloca o MCU num novo caminho, um caminho onde as Pedras Infinitas já não importam e as linhas de tempo e os multiverses são a grande nova ameaça.


A série é uma verdadeira comédia - Tom Hiddleston e Owen Wilson têm uma dinâmica hilariante no pequeno ecrã - mas os seus momentos dramáticos são dificultados pela narração de histórias e por uma confiança excessiva em clips de filmes anteriores. Quando revela a sua reviravolta final, o episódio de estreia do programa estabelece uma dinâmica intrigante, e um vilão que certamente irá testar o Deus dos Enganados como nunca tinha sido testado antes.



Conhecido desde infância apenas por Zé, Zé é um aficionado por super-heróis desde que se lembra.