Buscar

Joss Whedon alegadamente ameaçou a carreira de Gal Gadot, recusou as críticas ao seu roteiro da Liga

O teu apoio ajuda a manter o site online e a crescer ainda mais. Podes apoiar através do nosso Patreon, do Buy me a Coffee ou através de um Donativo. Obrigado pelo apoio!

Surgiram novas denúncias da má conduta de Joss Whedon durante a realização da Liga da Justiça, tanto do actor de Cyborg, Ray Fisher, como de fontes anónimas.


Fisher contribuiu para um artigo orientado pela THR sobre o alegado ambiente hostil no set da Liga da Justiça, as suas queixas sobre o comportamento de vários executivos da Warner depois de ter começado a expressar insatisfação, e os resultados da sua rixa pública com a empresa.

joss wheon gal gadot liga da justiça

O artigo (que vale muito a pena ler na íntegra), foca em parte o comportamento de Joss Whedon. Fisher diz que, assim que Whedon iniciou as suas alterações ao filme, respondeu mal às observações dos actores, acrescentando que, quando tentou discutir como a remoção do passado de Cyborg mudou a representação do personagem, Whedon cortou-lhe a palavra, dizendo: "Parece que estou a tomar notas neste momento, e não gosto de tomar notas de ninguém - nem mesmo de Robert Downey Jr.".


As fontes do THR afirmam que Whedon chocou com todas as estrelas do filme, com a Gal Gadot (Wonder Woman) aparentemente levou as suas queixas a múltiplos executivos da Warner Bros. devido aos seus sentimentos negativos sobre as reescritas. Whedon alegadamente ameaçou prejudicar a sua carreira, e fez com que Gadot gravasse falas que desaprovou. "Joss vangloriava-se de se ter aproveitado de Gal", disse uma fonte anónima. "Ele disse-lhe que ele é o escritor e ela vai calar-se e dizer as falas e ele pode fazê-la parecer incrivelmente estúpida neste filme".


Fisher também levantou a questão de múltiplas pessoas, incluindo Whedon, pressionando para a frase 'booyah' de Cyborg - que nunca foi planeada para ser dita no corte de Zack Snyder. Fisher diz que o então co-presidente da DC Films, Jon Berg, disse: "Este é um dos filmes mais caros que a Warners alguma vez fez. E se o CEO da AT&T tiver um filho ou filha, e esse filho ou filha quiser que Cyborg diga 'booyah' no filme e nós não tivermos um take disso? Eu poderia perder o meu emprego". Fisher alega também que Whedon o ridicularizou depois de ele ter concordado em dizer a frase.


Fisher afirma também que os executivos em torno do projecto tomaram o partido de Whedon durante estes confrontos, com o produtor Geoff Johns a dizer, alegadamente, "Não podemos enfurecer Joss". O publicista de Johns negou que essa citação tenha sido dita.


A um nível mais amplo, Ray Fisher continua insatisfeito com as conclusões da Warner Bros, após a investigação extremamente pública da empresa sobre um ambiente de trabalho aparentemente tóxico e racista, e deixou claro que não acredita que os executivos com quem trabalhou estejam aptos para as suas funções. "Não acredito que algumas destas pessoas estejam aptas para cargos de liderança", explicou ele. "Não os quero expulsos de Hollywood, mas penso que não devem ser encarregados da contratação e despedimento de outras pessoas".


Desde então, Cyborg foi retirado do próximo filme Flash depois de se recusar a trabalhar novamente com o presidente da DC Films, Walter Hamada. Ele disse a THR que estava ciente de que a sua rixa com a empresa poderia prejudicar a sua carreira, mas disse: "Se não consigo obter responsabilidade, pelo menos posso fazer com que as pessoas saibam com quem estão a lidar".


A recém-lançada Liga da Justiça de Zack Snyder restaurou grande parte das actuações e intenções originais do elenco para as suas personagens. Podem ler a nossa análise à versão da Liga da Justiça de Zack Snyder aqui.



Uma gamer de gema desde a sua tenra idade, Mary Jane adora o mundo do gaming, desde a simples injeção da tomada à montagem do seu PC Gaming. Envergonhada por natureza, não gosta de partilhar as suas redes socias, mas responde aos vossos comentários.