Buscar

IO Interative projeta jogo-trilogia de James Bond

O teu apoio ajuda a manter o site online e a crescer ainda mais. Podes apoiar através do nosso Patreon, do Buy me a Coffee ou através de um Donativo. Obrigado pelo apoio!

Após o lançamento de Hitman 3, a IO Interactive não baixa braços e está já a trabalhar num projeto de James Bond - um jogo que pode resultar numa possível trilogia e que, de acordo com o estúdio, não irá usar qualquer iteração conhecida do famoso agente britânico.

Tal informação surge numa entrevista com Danish Broadcasting Corporation, onde a IO revelou planos para aumentar o staff do estúdio ao longo dos próximos anos.

"Foi-nos dada a possibilidade de criar o nosso próprio Bond, que não se vai centrar em qualquer ator do passado." - revelou Hakan Abrak - diretor da IO Interactive.

Isto significa que, ao contrário do que tantas vezes aconteceu nos videojogos de 007, não se espera ver uma versão digital de Daniel Craig ou Pierce Brosnan, por exemplo.

"Também preparamos uma história totalmente original, é perfeitamente possível imaginar uma trilogia desenvolver-se a partir daqui."

Tal como acontece com Hitman, esta informação sugere planos de maior alcance da IO para o projeto Bond, com novas localizações e missões a serem adicionadas em cada iteração.


Abrak explicou que essa ambição é o que leva a companhia a querer aumentar os membros

dos quadros. "Hoje somos 200 funcionários, espero que esse número suba para 400 ao longo dos próximos anos."


Ainda na mesma entrevista, Abrak recorda a a reunião onde a IO Interactive convenceu a EON Productions - os detentores da propriedade intelectual - de que valia a pena avançar com o jogo. Nesse encontro os responsáveis da IO falaram com Barbara Broccoli, a família que detém os direitos de Bond, que inicialmente se mostrou inexpressiva, mas que rapidamente abraçou a ideia.


Abrak revela que o "background com o universo Hitman" e a visão para o futuro de Bond "tocaram o coração" de Brocolli, que acabou por dar luz verde ao projeto.

O mesmo salientou ainda a utilidade do "velho charme escandinavo", que contrasta com os

"movimentos de braços americanos," a que a EON está provavelmente habituada.


O que pensas desta grande novidade?

Deixa a tua opinião nos comentários!