Buscar
  • PM

Doutor Estranho Introduz o Terror no MCU - Crítica ao Filme! (Sem Spoilers)

Atualizado: 6 de mai.

As sequências de ação são fantásticas, assim como os efeitos especiais e os elementos de terror. Contudo, a caminhada pessoal está um pouco em falta.

 

O Universo Cinematográfico da Marvel conhece o terror em Doctor Strange no Multiverso da Loucura. Dirigido por Sam Raimi - cuja última aventura no mundo dos super-heróis foi em Spider-Man 3 - o Doutor Estranho 2 é visualmente surpreendente.


Atreve-se a fazer o que outros filmes do MCU não têm sido capazes de fazer, aumentando os seus efeitos e cinematografia de uma forma que o distingue dos seus predecessores. As sequências de ação são divertidas e, aliadas aos elementos de estilo visual e de horror do filme, o filme sai-se muito bem, embora as viagens pessoais sejam mais fracas.


A um nível emocional, Doutor Estranho no Multiverso da Loucura deixa um pouco a desejar. O Doutor Estranho está constantemente a ser questionado, ou a perguntar-se a si próprio, se está feliz. É uma pergunta válida, mas a questão é que as implicações pessoais de Stephen Strange - pelo menos para além de ser um super-herói - são praticamente inexistentes porque o primeiro filme não conseguiu estabelecer firmemente tais coisas e o MCU não tem feito muito trabalho em torno dessa linha emocional.


Aliás, o único exemplo que tivemos até agora de uma carga emocional forte em torno de Strange, foi mesmo na série animada da Marvel, What if...?, onde o peso de perder o seu interesse amoroso o leva a destruir esse seu universo. Ora, o nosso Stephen Strange, do universo 616 (que é o nosso aparentemente), tem uma ligação amorosa a Christine mas não uma que nos leve a pensar que seja fulcral para o herói titular deste filme, o que não é o caso na sua sequela.

Um dos problemas que o filme apresentou durante a sua duração, está mesmo no titulo do filme, porque ao ver o mesmo, deparamos que a verdadeira historia emocional aqui presente, não pertence a Strange mas sim a Wanda.


A Scarlet Witch segue a sua demanda que começou na série que saiu no ano passado, falo claro de WandaVision, e que o filme foca grande parte do enredo em torno dela. Ora, o problema em si, não o fato de apresentarem esta história de Wanda, porque a mesma está fantástica, e vai de acordo com o que vimos antes no seu historial, mas este filme teria um titulo mais apropriado se talvez fosse, Scarlet Witch no Multiverso da Loucura.


Doctor Strange, faz parte deste enredo como é lógico, mas parece apenas limitado ao uso da sua magia e de nos dar vários novos feitiços que finalmente mostram todo o seu poder que os leitores de banda desenhada provavelmente já conheceram. Mas tirando o fato de exibir o seu poder, Dr. Strange não tem na verdade uma jornada muito traçada. E apesar do seu sentimento pelo seu interesse amoroso estar lá, é sempre colocado de parte para a sua demanda de proteger a nossa realidade dos perigos que para com ela aparecem, renegando assim a sua história para segundo plano, e dando o palco a Wanda na parte emocional.



O mesmo se aplica ao arco de America Chavez. Enquanto a personagem recebe algumas cenas fantásticas que mostram aquilo de que é verdadeiramente capaz, a história da America é curta, com a maior parte do seu backstory reduzido a uma cena breve. Embora nunca haja um momento monótono, a sequela move-se bastante depressa numa tentativa de fazer passar a sua trama, deixando o desenvolvimento das personagens de todos pelo caminho.


Por outro lado, quem recebe um pouco mais de destaque em relação ao primeiro filme, é a Christine Palmer. Rachel McAdams obtém algo mais para fazer neste filme como Christine Palmer do que tinha no último, o que é refrescante e uma melhor utilização dos seus talentos.


Visualmente, o filme leva as coisas a outro nível. Raimi tece elementos de horror que são simplesmente fantásticos, elevando o filme de uma pequena aventura de multiverso para uma viagem de terror assustadora e algo inquietante. A Marvel está claramente a abraçar o lado mais sombrio das suas bandas desenhadas, e eu estou simplesmente a adorar.


O Moon Knight tem vindo a apresentar algumas nuances de terror, como no episódio 4, mas a sequela de Dr. Strange consegue superar todos os níveis nesse aspeto. E sendo Sami Raimi conhecido também pelos seus filmes nesse género, o que ele nos apresenta aqui é fabuloso.


À muito tempo que pedia que a Marvel começasse a apresentar temas mais sombrios e algo mais macabros, e parece que as minhas preces foram ouvidas por fim. Não vou entrar em spoilers nesta critica, mas há momentos no filme que me fizeram mesmo saltar um pouco na cadeira, e até entornar o pacote das pipocas. O susto está presente e é surpreendente se tivermos em conta que quem paga as contas é a Disney, e todos nós sabemos que não são propriamente uma empresa de apoiar o lado mais negro das coisas, o que me leva a aplaudir o que deixaram fazer a Raimi neste filme.


Outro fator que me deixou algo surpreendido, foi todas as teorias que tenho vindo a apresentar antes da estreia do filme, assim como outras que circulam pela internet. Foi agradável ver que algumas dessas teorias foram confirmadas, e ver outras a ir completamente em sentidos opostos. O que é muito bom, e prova coisas completamente inesperadas para o futuro do MCU. E acreditem, temos muito para falar sobre as implicações que este filme levanta para o futuro deste mundo da Marvel.



Juízo final


Doutor Estranho no Multiverso da Loucura é sólido em geral, senão mesmo bastante arriscado. O filme concentra-se principalmente no enredo que se esquece de dar aos personagens, exceto para Wanda, que recebe um desenvolvimento real. O ritmo avança com rapidez e, embora nunca haja um momento aborrecido, há vários pontos em que a história poderia ter abrandado apenas um pouco para permitir a construção de mais relações entre as personagens.


É um ponto fraco importante no filme que de outra forma seria muito útil. A sequela introduz informação suficiente para progredir o futuro do MCU ao mesmo tempo que conta uma história relativamente compacta, mas o que distingue o Doutor Estranho 2 são os seus elementos estéticos e de horror, o que faz com que nos regozijemos com a decisão de ter o Raimi no leme deste navio pelas águas do multiverso.


Pontuação


Ora com isto chego à parte da pontuação do filme, e como talvez saibas, aqui no Tretas do Cromo, utilizo uma escala de 5 estrelas.


Tendo a sequela apresentado elementos novos e aterradores para o Universo Cinematográfico da Marvel, e também ter dado uma conclusão à história da Scarlet WItch, temos de colocar mais uns pesos nesta balança, que tem do outro lado o fato da falta de desenvolvimento de muitos dos seus personagens.


Com isto dito, acho que o filme merece uma nota sólida de quatro estrelas. Mesmo não sendo um filme perfeito, e de estar um pouco longe disso até, deu-nos o que um filme é suposto dar, momentos de puro prazer.


E é mesmo muito bom ver a Marvel finalmente aceitar o seu lado mais negro e começar a brincar cada vez mais a sua caixa de areia que é o Multiverso. As possibilidades que vemos no horizonte são risonhas e a meu ver, apenas tocamos na ponta do Iceberg do que está para vir nos próximos anos.

pontuaçao filme

Vê Também: As Séries Da Marvel Sofrem de Um Problema de Ritmo, Mas Há Uma Solução Para o Problema!

Mas esta é a minha opinião sobre o filme. O que achaste do filme Doctor Stange no Multiverso da Loucura? Achas bom ou mau? Dá a tua opinião nos comentários abaixo.


Se quiseres falar sobre qualquer coisa geek, podes falar comigo, através do twitter do @tretasdocromo, sobre isto ou qualquer coisa sobre a DC, Marvel, Star Wars, The Witcher e mais temas geeks.

 

Sobre o autor do artigo:

Geek a tempo inteiro, PM é o fundador do projeto Tretas do Cromo. Podes segui-lo no Instagram em @senhor_pm, no twitter em @senhor_pm ou no facebook em @senhorpm.

 

O teu apoio ajuda a manter o site online, podes ajudar com uma das seguintes opções: